Covid 19 – medidas excepcionais relativas a Seguros

Covid 19 – medidas excepcionais relativas a Seguros

Covid 19 medidas excepcionais relativas a Seguros

Covid 19 medidas excepcionais relativas a Seguros

 

Fruto da actual situação de calamidade provocada pelo COVID 19 e em resultado, entre outros, do anteprojecto apresentado pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) foram, no passado dia 12 de Maio, aprovadas um conjunto de medidas excepcionais relativas a Seguros as quais se manterão, por ora, em vigor até 30 de Setembro de 2020.

As medidas excepcionais relativas a Seguros agora aprovadas incidem essencialmente sobre medidas excepcionais sobre o pagamento de prémios de seguros e aos efeitos da diminuição temporária, parcial ou total, do risco da actividade dos tomadores de seguro no contrato de seguro.

É notório que em resultado da actual pandemia e dos efeitos causados a empresas e particulares tornou-se essencial a aprovação de medidas excepcionais relativas a Seguros.

De facto, sendo a proporcionalidade entre risco e prémio um principio basilar do regime do contrato de seguro, a súbita e imprevisível interrupção de actividade resultante, em especial, do layoff a que inúmeras empresas aderiram, determinou a necessária desproporção entre prémio pago e risco garantido pela Seguradora

Da desproporcionalidade apontada acima resultou a necessária intervenção legislativa que, por via da introdução de medidas excepcionais relativas a Seguros, permitisse um igual tratamento de tomadores e segurados independentemente da Seguradora com quem estes tivessem celebrado um contrato de seguro.

De igual modo, o impacto que a presente pandemia provocou na tesouraria de muitas empresas, profissionais liberais e cidadãos em geral, determinou, em muitos destes, a impossibilidade de pagamento dos prémios de seguros pondo assim em causa o crucial papel socioeconómico desempenhado pelo contrato de seguro o que, apenas por via da aprovação das presentes medidas excepcionais relativas a Seguros, é possível assegurar.

De entre as várias medidas excepcionais relativas a Seguros agora introduzidas destacamos as seguintes:

As regras relativas à falta de pagamento do prémio de seguro e à imposição do pagamento do prémio de seguro para inicio da cobertura do risco passam a poder ser reguladas em termos mais favoráveis para o Tomador de Seguro/Segurado podendo designadamente ser regulado:

 

  1. O pagamento do prémio após o inicio da cobertura do risco
  2. O afastamento da resolução automática ou não renovação em caso de falta de pagamento do prémio
  3. O fracionamento do prémio
  4. A prorrogação da validade do contrato de seguro
  5. A suspensão temporária do pagamento do prémio
  6. A redução temporária do montante do prémio em função da redução temporária do risco

Em caso de falta de acordo entre Seguradora e Tomador de Seguro e no que diz respeito aos seguros obrigatórios, em caso de falta de pagamento do prémio ou fracção, o contrato é automaticamente prorrogado por um período de 60 dias a contar da data do vencimento sendo tal prorrogação reflectida no respectivo certificado de seguro.

O regime supletivo estipulado no ponto anterior deve ser informado ao Tomador de Seguro pela Seguradora nos 10 dias uteis anteriores à data de vencimento.

A cessação do contrato no final do período de 60 dias não exonera o Tomador de Seguro do pagamento do prémio correspondente ao período em que o contrato de seguro vigorou, podendo, o prémio em divida, ser deduzido a qualquer quantia devida pelo Segurador ao Tomador de Seguro.

Os tomadores de Seguro que explorem actividades que, em resultado das medidas excepcionais aplicadas em resposta à presente pandemia:

  1. Tenham a sua actividade suspensa
  2. As suas instalações ou estabelecimentos estejam encerrados
  3. Tenham sofrido uma redução substancial da sua actividade (ex. quebra abrupta e acentuada de pelo menos 40% da sua facturação)

Podem solicitar que estas circunstâncias sejam reflectidas no seu contrato de seguro designadamente:

  1. Reduzindo o prémio de seguro sendo que, em caso de prémio que já se encontre integralmente pago, o montante de redução deverá ser reflectido na anuidade seguinte ou nos 10 dias seguintes à cessação do contrato.
  2. Fracionando o prémio sem custos adicionais

Com as medidas excepcionais relativas a Seguros aplicáveis ao modo de pagamento do prémio de seguro e consequências para a falta desse pagamento, garante-se a continuação do relevantíssimo papel que os seguros desempenham na nossa Sociedade impedindo que o impacto financeiro provocado pela actual pandemia conduza à desprotecção de Tomadores de Seguro e terceiros.

Resultando, das medidas excepcionais relativas a Seguros aplicáveis ao ajuste do prémio em função do efectivo risco sofrido, a reposição do equilíbrio prémio/risco que, em especial nos seguros de acidentes de trabalho, responsabilidade civil profissional, transportes e acidentes pessoais, em face da interrupção, na maior parte das vezes total, da actividade dos Tomadores de Seguros afectados, se viu catastroficamente desequilibrado em beneficio das Seguradoras.

Se precisar de mais esclarecimentos carregue aqui ou deixe um comentário

No Comments

Post A Comment